Deposição em Aterro Sanitário
Garantir segurança e produzir energia

Um Aterro Sanitário é um espaço destinado à deposição final de resíduos gerados pela atividade humana – na EGF é também a última opção ambiental num sistema de gestão integrada, situação que existe em Portugal. Ainda assim, é muitas vezes a única forma de garantir segurança à deposição de resíduos indiferenciados, garantindo um sistema de proteção ambiental rigoroso, drenagem adequada de lixiviados e de biogás. Mas apesar de ser um sistema de deposição final, é ainda possível produzir energia a partir do biogás, e a EGF produziu em 2015, 219.000 MWh de energia. Num aterro sanitário existe também uma rede de drenagem do biogás (gases provenientes da biodegradação da massa de resíduos), o qual é encaminhado para valorização energética ou queima. Um aterro sanitário deve também ter um sistema de monitorização ambiental, o qual engloba o controlo dos lixiviados, do biogás, das águas subterrâneas, das águas superficiais e das alterações topográficas. Quando atinge o limite da sua capacidade, o aterro sanitário é alvo de um processo rigoroso de encerramento e arranjo paisagístico adequado, podendo ser, posteriormente, um espaço verde ou um parque de lazer para usufruto pela população, em boas condições de segurança e ambientais.